sábado, 19 de maio de 2012

Folhas artificiais: técnica facilita reproduzir fotossíntese

folha artificial feita de molibdênio, níquel e zinco. Foto: ACS

A maneira mais eficiente de transformar a luz do sol em energia existe há cerca de 400 milhões de anos: a fotossíntese. Cientistas têm trabalhado em replicá-la em materiais que agem como folhas artificiais por algum tempo. Agora, deram um passo adiante substituindo materiais caros por outros baratos.
A mudança é importante, pois enquanto folhas artificiais podem ser as células de combustível do futuro, os custos de produção continuam um problema. Um dos maiores obstáculo da fotossíntese artificial é que isso só é possível quando os cientistas usam a platina, um metal caro, como catalizador. Entretanto, Danial Norcera, do MIT (Massachusetts Institute of Technology) afirma que a sua equipe encontrou uma maneira de usar um composto barato, feito de níquel, molibdênio e zinco. Isso o coloca a um passo mais perto de encontrar uma fonte barata e portátil de energia renovável para países em desenvolvimento.

Folhas artificiais se parecem com uma fina carta de baralho, descrita pelo MIT como uma célula solar de silício com materiais catalizadores diferentes colados em ambos os lados”. Coberta com água e posta sob o sol, a célula quebra hidrogênio e água, mimetizando a fotossíntese.
Em uma folha verdadeira, o hidrogênio é combinado com CO2 (dióxido de carbono) retirado da atmosfera para produzir açúcares, estruturas celulares e outras formas de matéria orgânica. Na versão artificial, os cientistas usam o hidrogênio em células de combustível para produzir eletricidade, ou então o combinam com CO2 para produzir combustíveis como o metanol. Este poderia ser usado em motores de carros, da mesma maneira que os biocombustíveis de etanol são usados hoje, e poderia oferecer uma fonte de energia neutra em carbono.
Folhas artificiais poderiam também preencher parte das pretensões não alcançadas por outras formas de energia renovável. Elas poderiam ser usadas em regiões áridas onde a energia hidrelétrica é impossível, também ocupariam menos espaço do que os painéis solares e, além disso, não requerem uma bateria para armazenar a energia que geram.
- Publicado através da parceria de ((o))eco com a Guardian Environment Network . Tradução de Eduardo Pegurier -

Novidades: reparou no cabeçalho do blog? Tenho páginas com dicas, frases e fotos ecológicas! Fique à vontade para ver e usar!

Bom final de semana!

6 comentários:

Aliny disse...

D++++ seu post tia!!!! amei ler essa materia sobre folhas artificiais..cientista do bem :)) tks pelo carinho..otimo fds..Bjinhux

ONG ALERTA disse...

Muito interessnte este texto sobre as folhas, náo sabia, bom fim de semana.
Beijo Lisette.

Zéza disse...

Oi querida! Vim agradecer a sua visita e avisar que já atualizei! Estou esperando sua visita!! Beijos azuis!

... Morgana disse...

Olá dindinha querida! Muito obrigada pela visita ao meu blog! Esse seu cantinho é, também, muito bom! Beijos cintilantes da afilhada virtual Morgana

Frida disse...

Olá querida! Valioso esse seu post! É uma grande alegria receber sua visita! Muito obrigada! Acabei de atualizar. Luz e Paz! Frida

Ane disse...

Uia!Nem sabia que existia folhas artificiais...Muito boa esta novidade,viu Tetê?Beijos ecológicos!