quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Até breve!

Olá amigos!

Curti férias de 17/9 até ontem e agora estou precisando de um tempo prá colocar a vida pessoal em dia. Eu ia deixar o hiatus dos blogs para o mês que vem mas sinto que preciso de mais tempo agora e, dessa forma...


Suspendi os comentários, tá?

Vou continuar atualizando o Manancial e o Avaliando a Vida.

Todos serão bem vindos em ambos!

Bjks

sábado, 29 de setembro de 2012

Ilhas brasileiras vistas do espaço

Várias ilhas enfeitam o extenso litoral brasileiro. Em muitas podemos encontrar praias paradisíacas e remanescentes intocados de floresta, enquanto em outras a civilização já fincou seu pé de maneira incisiva. Três capitais estaduais, Florianópolis, São Luiz e Vitória, estão localizadas em ilhas, por exemplo. Veja abaixo algumas imagens feitas por satélite de ilhas brasileiras.

Localizada entre as duas maiores metrópoles do Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro) e cercada pela imponente Serra do Mar, a baía da Ilha Grande abriga 187 ilhas e ilhotas, criando um cenário de grande beleza paisagística no litoral sul fluminense. Diversas unidades de conservação protegem parte deste patrimônio natural, na tentativa de manter a biodiversidade tanto terrestre como marinha da baía. Porém, esse mosaico de unidades de conservação enfrenta impactos de diversas ordens. Alvo de grande especulação imobiliária, a região sofre pressões como o turismo descontrolado, a pesca predatória, além de instalações portuárias e industriais de alto impacto.

Localizada no litoral norte do estado de São Paulo, Ilhabela possui uma das mais acidentadas paisagens da região costeira brasileira, com todas as características de relevo jovem. Uma das características marcantes de Ilhabela é a predominância da Mata Atlântica. Por possuir áreas de difícil acesso, o arquipélago de Ilhabela serve também como refúgio para espécies de aves migratórias que lá encontram pousada e alimento, durante o intervalo de grandes jornadas que realizam todos os anos.

O Arquipélago do Marajó, no estado do Pará, é o maior conjunto de ilhas fluviomarinhas do mundo. Também é considerado um conjunto de ecossistemas único no mundo, que apresenta enorme riqueza de biodiversidade. Tem uma natureza singular, formada por vários ecossistemas dinâmicos e integrados. Exemplo disso, é que somente na área terrestre das ilhas, o IBGE classifica 48 tipos de vegetação. Basta dizer que dos nove biomas brasileiros, a região conta com três: o Amazônico, o Costeiro e o Marinho.

Localizado a 540 km de Recife (PE), este “pedaço de terra, aparentemente perdido em meio a lindos tons de azul”, encanta os turistas com seus 17 quilômetros quadrados (km²) de preciosa beleza cênica. Ilha principal do arquipélago de 26 km² e 21 ilhotas, Fernando de Noronha recebe cerca de 60 mil turistas por ano. Todos atraídos pela exuberância de seu patrimônio ambiental, que inclui três das dez praias mais lindas do Brasil: o Sancho, a Baía dos Porcos e o Leão.
Monumento Natural, desde 2010, as 6 ilhas Cagarras são áreas de proteção marinha que fazem parte do cartão postal do Rio de Janeiro. De diversos pontos da cidade é possível admirar o pequeno arquipélago, formado por Palmas, Cagarra, Comprida, Redonda e duas ilhotas, filhotes da Cagarra e da Redonda. Ao redor de cada uma delas, 10 metros estão inclusos na área de conservação. Ali, a pesca predatória é proibida.
A ilha de Santa Catarina é a maior de um arquipélago constituído por mais de 30 ilhas, sendo a maioria ilhas pertencente ao município de Florianópolis. A geomorfologia da ilha sofre influência da serra do Mar, da serra Geral e do intemperismo litorâneo: predominam os granitos da serra do Mar, ocorrendo derrames basálticos esporadicamente. Isto por estar situada na divisa entre as duas serras.
A Ilha do Mel é rodeada por praias, dunas e alguns costões rochosos, com uma biodiversidade marinha representativa da costa sul brasileira. A presença do homem na Ilha do Mel vem pertubando cada vez mais o ambiente natural, suporte das vida vegetal e animal características das paisagens da restinga, morros e costões rochosos. Apesar de todo o esquema conservacionista dos órgãos responsáveis pela preservação, a ilha continua sofrendo interferência de pessoas inescrupulosas que danificam ou invadem e ocupam ilegalmente áreas protegidas.

A Reserva Biológica do Atol das Rocas foi a primeira unidade de conservação marinha criada no Brasil, em 1979. Situa-se a 144 milhas náuticas de Natal/RN e a 80 milhas náuticas do arquipélago de Fernando de Noronha. Circundado por um anel de arrecifes contendo duas pequenas ilhas e uma laguna central, é o único atol no Atlântico Sul. Com 7,2km2 de superfície e 3,2km de diâmetro, é um recife semi-circular composto por esqueletos calcáreos de algas, corais e moluscos. A área da reserva é de 360 quilômetros quadrados, incluindo o atol e toda a área marinha em volta, até a profundidade média de mil metros.
- matéria do site ((o))eco -


 Bom final de semana!

sábado, 15 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

Cidades para bicicletas, cidades para pessoas

Foto: Zé Lobo - Transporte Ativo - http://www.ta.org.br/

A campanha eleitoral está em pleno curso no Brasil e bicicleta é tema central nas grandes cidades. Os motivos são bastante óbvios. O colapso na circulação de pessoas e perda de qualidade de vida são temas que afetam diretamente a população e que estão no raio de ação de prefeitos e vereadores.
Com a chegada de setembro, virá logo mais o Dia Mundial Sem Carro(22/9), efeméride que esse ano será em um sábado. É de se antecipar grandes pedaladas, eventos de campanha e muito candidato cheio de promessas que não serão cumpridas ao longo dos próximos quatro anos. Por hora os políticos em campanha parecem ter entendido a simbologia e tem usado as magrelas como bandeira. Cientes de que falar em bicicletas e em qualidade de vida é assunto que rende visibilidade e demonstram uma enorme dose de "bom mocismo". Ainda assim, não existe um movimento forte o suficiente para definir um "voto ciclístico", como especula-se já haver em Londres.
No entanto, iniciativas como a da Ciclocidade de debater uma plataforma para a cidade de acordo com os interesses dos ciclistas são fundamentais. O entendimento sobre o que é uma bicicleta, por incrível que pareça, ainda não está claro para a população em geral e por conta disso pipocam reportagens com "especialistas" que demonstram claramente o desconhecimento de que a bicicleta é mais que veículo, é símbolo de transformação urbana. A democracia brasileira ainda tem um longo caminho para se estabelecer e se consolidar. A bicicleta é um ator fundamental para o processo democrático.
Bicicleta nesse sentido é muito mais do que uma bandeira de aficionados pelas pedaladas ou por ativistas da sustentabilidade. Incluir a bicicleta nas cidades é necessariamente tornar o ambiente urbano mais amigável para as pessoas. O discurso tem sido em favor do planejamento cicloviário, mas as palavras em tempo de campanha vão até um limite. A realidade dos próximos prefeitos é que a bicicleta ainda está encostada na ante-sala do poder, funciona como um símbolo a ser levantado como "pauta positiva", mas ainda não foi incorporada ao dia a dia e valorizada com planejamento e execução que efetivamente mude a realidade urbana das cidades brasileiras.
- João Lacerda - ((o))eco -


Novidades: reparou no cabeçalho do blog? Tenho páginas com dicas, frases e fotos ecológicas! Fique à vontade para ver e usar!

Bom final de semana!

sábado, 1 de setembro de 2012

Hortas urbanas nas lajes

Técnica de horta orgânica envolve materiais simples e baratos. Foto: Fabíola Ortiz

Rio de Janeiro, 5ª feira, 30/8, nas comunidades irmãs da Babilônia e do Chapéu Mangueira, formou-se a primeira turma do curso de Agricultura Urbana Orgânica. Localizadas no Leme, bairro da zona sul do Rio de Janeiro, foi lá que um grupo de moradores se voluntariou para aprender as técnicas de como montar um canteiro em casa. Nesse caso, na laje.
Isso é uma tendência das grandes cidades de ter uma horta nas lajes e no alto dos edifícios. Não só pela alimentação orgânica com produtos mais frescos, mas por encurtar distâncias e gerar renda. Ainda tem o efeito benéfico em relação à mudança do clima, pois (com o telhado verde) a incidência solar não é refletida tão fortemente como numa laje de concreto”, explicou a presidente executiva do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi, instituição facilitadora da iniciativa.

A horta orgânica faz parte do projeto chamado ‘Rio Cidade Sustentável’ que foi apresentado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho. Ela cabe em qualquer lugar... ocupa pequenos espaços em lajes ou quintais!
Os materiais utilizados para fazer os canteiros são os mais variados possíveis. Os moradores da Babilônia e do Chapéu Mangueira encheram de terra telhas tipo calhetão, sem amianto, usadas para grandes coberturas. Também usaram sacolas feitas com uma lona agrícola atóxica para plantas com raízes mais profundas, como o caso de leguminosas. É possível fazer uma horta até com garrafa PET... As duas comunidades vizinhas já contam com 10 hortas, cada uma com três canteiros de 3 metros por 1,20 m.

Uma horta orgânica não tem mistério garante o morador Luiz Alberto de Jesus, de 52 anos, o Beto, um dos alunos que completou o curso. Ele é dono de uma laje e compartilha a horta com mais quatro vizinhos. “Produzir não tem mistério, em uma área mínima já pode fazer um canteiro”, conta.
A horta de Seu Beto tem alface, agrião, pimenta, alecrim, hortelã, tomate cereja, alface americana e rúcula. Ele mexe na terra, pelo menos, duas vezes por dia. A primeira colheita será feita em fevereiro de 2013, e os alunos esperam com ansiedade. Tudo vai ser para consumo próprio e para doar para as escolinhas na comunidade.
A dona de casa Reina Maria Pereira da Silva, de 58 anos, também foi aluna. Hoje, ela já fala em fazer uma feirinha de produtos orgânicos e foi convidada para ajudar a montar outras três hortas na Ladeira dos Tabajaras, outra comunidade próxima no bairro de Copacabana. Além da horta, os moradores também estão desenvolvendo minhocários, usados para fazer compostagem com o lixo orgânico. "É uma nova cultura, pois tudo pode ser aproveitado, desde o talo do alimento até os resíduos no adubo orgânico”, diz Marina Grossi do CEBDS.
- Fabíola Ortiz - ((o))eco -



Novidades: reparou no cabeçalho do blog? Tenho páginas com dicas, frases e fotos ecológicas! Fique à vontade para ver e usar!

 Bom final de semana!

Editando em 03/9...
Que surpresa boa...
Recebemos destaque na Casinha das Gifs!
É a casa da dinda de uma de minhas casinhas que o provedor não existe mais... mas ela é minha eterna dinda! Obrigada Tati!