sábado, 5 de setembro de 2009

Por amor as amendoeiras JÁ

A natureza existe para nos servir, certo? Errado. Por mais importante que seja a espécie humana, não sobreviveríamos sem a natureza, logo, não podemos fazer com ela o que bem quisermos. Não é a natureza que nos pertence, nós é que pertencemos a ela.
Nossas cidades seriam um lugar triste e feio sem a natureza, caso existisse apenas concreto, asfalto, automóveis. As árvores da cidade são um pouco dessa natureza. Elas enfeitam e tornam o ambiente mais agradável, abafam ruídos, retêm poeiras, contribuem para a troca do poluído gás carbônico dos automóveis pelo oxigênio que respiramos, abrigam os pássaros, etc. Elas ocupam um espaço no vazio da paisagem urbana, entre os prédios e ruas, e em nossas memórias. Aos poucos, vamos nos acostumando e até mesmo crescendo junto com as árvores da rua, praça ou fundo de quintal. Sem nos darmos conta, desenvolvemos uma espécie de afeição, quase amor, pelas árvores da cidade. Não é à toa que sentimos um certo vazio no peito quando nos deparamos com aqueles troncos nus, vítimas da eficiência de alguma empresa que recebe por árvore cortada e na outra ponta já tem negociado com alguma empresa para ganhar algum por fora em função do volume de madeira que entregar. Um verdadeiro desastre. É como se tirassem um pedaço de nossa memória, de nossa cidadania.
E as maiores vítimas tem sido as amendoeiras.
Trazidas da Índia, de onde são nativas, adaptaram-se tão bem ao nosso clima que crescem quase com alegria e estão presentes em quase todas as ruas. Não é sua culpa se são plantadas em lugares errados, sob fios de energia ou telefone, junto a calçadas, prédios e muros, etc. Muito menos devem ser sacrificadas por perderem as folhas com a chegada do inverno.As amendoeiras, diferente das árvores tropicais, são caducifólias, isto é, suas folhas caducam, caem, no inverno. Dão um trabalho danado para os garis, entopem bueiros, mas são uma beleza! Antes de caírem, sua folhas mudam da cor verde para diversos tons de vermelho, cor-de-abóbora, amarelo. Pouco depois de perder todas as folhas, nascem milhares de brotos, que logo viram folhas, de um verde novinho, como se a cidade se renovasse.
Pena que os apressadinhos não conseguem perceber as amendoeiras. Aliás, percebem bem pouca coisa da cidade, tão preocupados em chegar a algum lugar, como se, para eles, tanto faz estar aqui ou ali, pois estão sempre de passagem. Precisamos de cidadãos que lutem por sua memória, ainda que dela faça parte as amendoeiras. Pouco importa se vieram da Índia, irritem os garis com suas folhas, dêem trabalho para pedreiros que precisam vez por outra consertar uma calçada aqui, uma rachadura ali. São nossas amendoeiras. São as árvores da nossa cidade!
- Vilmar Berna -
Z
Bom final de semana!

7 comentários:

Marizza Semeadora disse...

É muito gostoso chegar no blog e encontrar um comentário! Melhor que isso é vir retribuir e encontrar um post magnífico como este! Muito obrigada pela visita! O que você tem semeado? Aquilo que você semear, isso também colherá. Semeia para o Espírito e do Espírito colherá vida eterna. Deus te abençoe!Paz e Bem!

7e7ei@ disse...

Tetê: obrigada por seu carinho e atenção!Por aqui sempre encontro um post interessante! Já atualizei o meu cantinho angélico. Te espero! Beijos e uma semana abençoada!

Ane disse...

Como é agradável uma cidade cheia de árvores!Até o clima fica mais ameno.Amei seu post!
I love trees!!!

Zéza disse...

Oi querida! Vim agradecer a sua visita e avisar que já atualizei! Estou esperando sua visita!! Beijos azuis!

Anjinho de Deus disse...

Olá Tetê! Você sempre com maravilhosos posts! É muito bom vir aqui! Obrigada por sua visita! Bom final de semana!Paz e Bem!

Samantha: disse...

Olá Tetê! Você sempre com maravilhosos posts! É muito bom vir aqui! Obrigada por sua visita! Bom final de semana!Paz e Bem!

Le F. Leal disse...

Isso me lembra de quando estudei em um colégio que separava o lixo pra reciclar! Pena que sempre tinha algum aluno que jogava o lixo na lata errada de propósito... =/

lindo blog! parabéns!
obrigada por elogiar o texto. :)