sábado, 30 de abril de 2011

Bioplástico - JÁ

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) desenvolveram plásticos à base de fibras de abacaxi, banana e outras frutas. Além de serem biodegradáveis e produzidos com uma fonte completamente renovável, eles são 30% mais leves e de três a quatro vezes mais fortes que os comuns.

Por conta de suas propriedades, os bioplásticos poderão trazer grandes benefícios à área médica, com uso em próteses e pinos, e poderão até substituir o Kevlar, material usado em coletes à prova de balas e apacetes militares. Mas, a princípio, deverão ser usados principalmente na indústria automobilística para a produção de painéis e para-choques. Ao optar por esse material, os fabricantes poderão diminuir o peso dos carros proporcionando, assim, uma economia de combustível. Outra vantagem é que esses plásticos ainda têm maior resistência a danos causados pelo calor e por derramamento de líquidos, como a gasolina .

Para fazer o bioplástico, é necessário obter nanocelulose – sintetizada a partir do tratamento intensivo da celulose. Segundo o professor e engenheiro agrônomo Alcides Leão, que lidera projeto, o abacaxi é uma das fontes mais promissoras de nanocelulose, mas a banana, o coco e a agave também podem ser utilizadas. Os cientistas colocam folhas e caules das frutas ou plantas em um equipamento parecido com uma panela de pressão. O conteúdo da panela passa por vários ciclos de “cozimento”, até produzir um material fino, parecido com o talco. Com 450 gramas dessas nanoceluloses é possível produzir 45 quilos de plástico. De acordo com estimativas dos pesquisadores, esse material deve se popularizar em mais ou menos dois anos.

Em 2009, outro brasileiro, o professor de engenharia química Leonardo Simon, mostrou que era possível utilizar a palha do trigo para produzir peças de veículos e substituir materiais não renováveis – como carbonato de cálcio, talco e mica. Transformada em um pó, a palha é misturada com polipropileno (plástico) e pode formar peças tanto para a parte interna quanto para a externa dos veículos. No ano passado, esse plástico já era utilizado em algumas peças do carro Ford Flex. A nanocelulose também poderia ser misturada ao plástico convencional para reforçá-lo, mas, se for usada dessa maneira, o resultado final deixa de ser um produto biodegradável.
- Luana Caires de ((O))Eco -

4 comentários:

Aliny disse...

D+ seu post miguxinha ...devia ter um jeito de fazer sacolinhas de supermercados biodegradavel neh? quem sabe ...:) Bjinhux

Miguel disse...

Bom dia, amiga.
Pensamento para mais um dia.

Está no ar uma nova manhã,
Um novo dia.

Deus te abençoa com Suas dádivas sem medida, com o bem mais duradouro,
pois considera sua vida o mais precioso tesouro.

Para você,
Desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir.
Todas as músicas que puder te emocionar.

Abraços
Miguel- blog Yehi Or

MARY disse...

Olá Amiga Tetê!
Não sabia destas experiências com frutas ,como o abacaxi e a banana para a produção de plástico!!!Excelente,né?!!!
Neste Mês das Noivas estou postando,na minha "Cozinha", sobre Bolos! E não poderia deixar de falar do Bolo dos Principes William e Kate ,e tb postei o Vestido que a Princesa usou no Jantar-Baile ,à Noite! Simples e Lindo! Vá ver!
Ótima Semana!
Beijos,MARY.

REINALDO FONSECA - PASCOM disse...

Olá Tetê! "Com fé nós podemos continuar a caminhar um dia após o outro". Parabéns pelo maravihoso trabalho neste blog!

Reinaldo