segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Áreas Úmidas

Dois de fevereiro(hoje!) é o Dia Mundial das Áreas Úmidas. Neste ano, o tema central das comemorações enfatiza a necessidade de ver as áreas úmidas como um todo, reforçando a conexão que existe entre as partes altas e baixas dos rios que formam esses sistemas.

A data é comemorada todo ano no aniversário de assinatura da convenção de Ramsar (Irã), firmada em 1971 com o objetivo de promover ações nacionais e internacionais para a conservação e o uso sustentável das áreas úmidas e de seus recursos naturais.
Áreas úmidas são complexos ecossistemas localizados em uma zona de transição entre os ecossistemas aquáticos e, por isso, possuem uma das maiores biodiversidades do Planeta.

No âmbito da Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional, porém, incluem-se desde áreas continentais, como as marinhas e costeiras até as artificiais. Alguns exemplos são os lagos, manguezais, pântanos e também áreas irrigadas para agricultura, reservatórios de hidrelétricas, entre outros. Ao todo, são classificados 42 diferentes tipos de zonas úmidas por esse tratado internacional.

O Brasil abrigada a maior área úmida continental do planeta – o Pantanal, que abrange parte dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e estende-se pela Bolívia e Paraguai. O regime de inundações é responsável pela renovação da fauna e flora do Pantanal, uma das mais ricas do mundo. Sem esse ciclo, toda a biodiversidade do bioma fica ameaçada.

No mundo, a agropecuária e o desenvolvimento urbano são, provavelmente, as ameaças mais freqüentes às áreas úmidas. No Pantanal, elas são causadas principalmente pela agricultura e pecuária insustentáveis, que vêm se expandindo especialmente no planalto da bacia. A construção de usinas hidrelétricas e produção de carvão, responsável pelo desmatamento das florestas nativas, são também ameaças ao Pantanal.

O coordenador do programa Pantanal para Sempre do WWF-Brasil, Michael Becker, ressalta a importância de se olhar o Pantanal como um todo quando se fala em conservação. “Tudo que é feito na parte alta da bacia tem reflexos na planície inundável”, diz.

Ele lembra ainda que a maior parte das nascentes dos rios que abastecem o Pantanal está concentrada na parte alta. “A degradação dessas áreas representa um sério risco à biodiversidade do Pantanal”, alerta.


7 comentários:

Semeadora disse...

É gostoso chegar no blog e encontrar um comentário! Muito obrigada pela visita! Intressante sobre áreas úmidas! Paz e Bem!

Aliny disse...

Sobre areas umidas ja tive alguma aula sobre o assunto agora qto a data e q o pantanal eh uma das maiores areas umidas do planeta ah isso eu nao sabia msm..esse ja foi facil de ler e entender Tete.. Obg por compartilhar..Bjinhux no seu iluminado core.....fike com Deus e uma semana xuper abençoada

Anjinho de Deus disse...

Olá Tetê! Você sempre com maravilhosos posts! É muito bom vir aqui! Obrigada por sua visita! Boa semana!Paz e Bem!

Samantha: disse...

A Paz do Senhor e o Amor de Maria! Tudo bem? Espero em Deus que sim! Muito bom esse seu post! Boa reflexão! Obrigada por sua visita! Atualizei agorinha!

Francis David disse...

Não tinha conhecimento da importancia dessas area, muito bom.

Ane disse...

Menina,não sabia que existiam classificação de áreas úmidas,uma que conheço bem é o mangue,as salinas não,né?Aqui há uma guerra do Ibama contra os produtores de camarão que destroem o mangue pra fazer os criadouros,afe!

Zéza disse...

Oi querida! Vim agradecer a sua visita e avisar que já atualizei! Estou esperando sua visita!! Beijos azuis!